CUIABÁ

Siga nossas redes

Preço médio passará de R$ 5,61 para R$ 5,41 por litro

Petrobras reduz preço de venda do diesel para as distribuidoras

Publicado em

ECONOMIA

A partir de amanhã (5), o preço médio de venda de diesel A da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 5,61 para R$ 5,41 por litro, redução de R$ 0,20 por litro.

Segundo a empresa, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 5,05, em média, para R$ 4,87 a cada litro vendido na bomba.

“Essa redução acompanha a evolução dos preços de referência, que se estabilizaram em patamar inferior para o diesel, e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”, diz a companhia.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governo regulamenta valores de emendas parlamentares para habitação
Propaganda

ECONOMIA

Governo reduz para US$ 55,4 bilhões projeção de superávit comercial

Publicados

em

O aumento de gastos com fertilizantes e combustíveis fez o Ministério da Economia revisar para baixo a projeção de superávit comercial (exportações menos importações) este ano. A estimativa caiu de US$ 81,5 bilhões, previstos em abril, para US$ 55,4 bilhões, uma redução de 32,7%. A cada 3 meses, o governo divulga uma nova previsão.

Apesar da queda, pode ser o segundo melhor resultado anual da balança comercial desde o início da série histórica, em 1989. O melhor superávit comercial registrado até hoje foi no ano passado, quando o país exportou US$ 61,407 bilhões a mais do que importou, beneficiado pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional).

Segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas do Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, existem dois fatores principais para a revisão da estimativa: a queda no preço internacional do minério de ferro nos últimos meses e os reflexos da guerra na Ucrânia, que encareceram os fertilizantes e os combustíveis.

“O que temos observado no ano é o crescimento da importação bastante acima do esperado. A exportação vem mais ou menos em linha com o inicialmente projetado”, explicou Brandão. “Os preços de combustíveis, de adubos e fertilizantes, principalmente, influenciam esse movimento”, acrescentou.

Leia Também:  Inscrições para concurso do IBGE para o Rio de Janeiro terminam hoje

A queda do saldo projetado deve-se tanto ao aumento das importações como à desaceleração das exportações. A projeção para as compras do exterior subiu de US$ 268 bilhões previstos em julho para US$ 274,9 bilhões agora. Do lado das exportações, a previsão caiu de US$ 349,4 bilhões para US$ 330,3 bilhões. Caso se confirmem, os valores anuais serão recordes para esses parâmetros.

Impacto da guerra

A guerra entre Rússia e Ucrânia tem impactado a balança comercial nos últimos meses. Por causa do aumento de gastos de itens que encareceram com o conflito, o superávit no mês passado totalizou US$ 3,993 bilhões, com recuo de 9,3% em relação a setembro de 2021.

Os preços internacionais dos adubos e dos fertilizantes subiram 47,4% em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. O preço médio dos combustíveis comprados do exterior aumentou 53,3% na mesma comparação. No trigo, outro produto que o Brasil importa em grande quantidade, a alta chega a 58,2%.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA