CUIABÁ

Siga nossas redes

Elen Nascimento Silva, de 21 anos, não tinha relação com nenhuma das facções

Acusado de matar jovem que fez gesto no Tik Tok é preso em VG

Publicado em

MATO GROSSO

Um dos foragidos pelo homicídio de Elen Nascimento Silva foi preso, na última sexta-feira (23), em uma boca de fumo de Várzea Grande. Ele é apontado pela Polícia como um dos executores do crime e foi responsável por fazer a ponte entre o mandante e os demais executores.

A jovem teve a morte decretada por fazer o sinal de “3” – símbolo da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) – em um vídeo na rede social TikTok.

Ueslen Gonçalves Barros, membro da facção rival, estava foragido desde abril deste ano, quando o crime aconteceu no Município de Brasnorte (a 580 quilômetros de Cuiabá).

El foi localizado em uma boca de fumo no Loteamento Cidade de Deus. Junto dele, outras pessoas foram conduzidas em flagrante por tráfico.

Ueslen não tinha nada de ilícito com ele, mas, ao consultar o seu nome no sistema, os policiais constataram um mandado em aberto.

As investigações revelaram que a jovem não era membro de nenhuma das duas facções. Mas já havia se relacionado com alguns membros do Comando Vermelho e ainda era amiga de algum deles nas redes sociais.

Leia Também:  MT: Ex-marido tenta matar homem que dançava com ex-mulher

Relembre o caso

Elen foi encontrada morta no dia 22 de abril, no meio de uma plantação na zona rural do município. Ela estava desaparecida desde o dia 19 desse mesmo mês.

Seu corpo apresentava perfurações de arma de fogo e tinha as mãos amarradas.

Segundo o delegado Eric Márcio Fantin, que esteve à frente do caso, a Polícia Civil reuniu diversos elementos informativos em mais de 100 horas ininterruptas de investigação. Foi apontado o envolvimento de vários suspeitos no assassinato.

Os envolvidos identificados na investigação responderão pelo homicídio e também por integrar organização criminosa.

Emboscada

Elen foi atraída até uma residência por um dos suspeitos. Lá, onde estavam outros membros da facção, ela teve a morte decretada devido ao sinal feito no vídeo que, supostamente, seria do grupo rival.

A vítima foi levada em um veículo até o local onde foi morta, na Estrada do Perobal, zona rural da cidade. No local, ela foi alvejada por quatro disparos de arma de fogo.

Leia Também:  MT tem 16 novas mortes e 911 casos de covid em 24 horas

“Mídia News”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

EDUCAÇÃO

Corte afeta ajuda a alunos e deixa animais sem comida na UFMT

Publicados

em

O recente corte de gastos promovidos pelo Ministério da Educação começa a afetar o funcionamento da Universidade Federal de Mato Grosso. 

A Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Prae) comunicou nessa quarta-feira (07) que, após as medidas adotadas pelo Governo Federal tornou-se inviável o pagamento dos 1.726 auxílios/bolsas de dezembro desse ano.

O gasto com essas assistências totalizam R$ 595.172 mensais, mas o atual saldo em caixa da UFMT é de aproximadamente R$10.000. 

A Prae ressaltou que esses auxílios e bolsas são essenciais para a permanência dos estudantes da UFMT que estão em situação de vulnerabilidade econômica. 

Sem comida 

Outro setor que também sentiu o corte foi o Centro de Medicina e Pesquisa em Animais Silvestres (Cempas) da UFMT, que está impossibilitado de comprar comida para os animais sob tutela da faculdade.

Roberto Lopes de Souza, diretor da faculdade de Medicina Veterinária da UFMT, conta que tem buscado ajuda do Ministério Público e do Juizado Ambiental para conseguir verba emergencial.

A esperança é que esses órgãos consigam disponibilizar o dinheiro arrecadado de multas ambientais para ser aplicado nas despesas do Cempas.

Leia Também:  Três homens são presos por extração ilegal de madeira em Nova Maringá

O diretor também revela que é essencial conseguir essa verba emergencial o quanto antes. Caso o curso de Veterinária da UFMT não consiga o repasse, o diretor conclui que os animais poderão morrer de fome.

Atualmente há cerca de 300 animais sob tutela do Cempas, entre porcos-do-mato, jacarés, aves, macacos, jaguatiricas, antas e outros silvestres.

  

Antes de se tornar um centro de medicina, o Cempas era o famoso Zoológico da UFMT, que era aberto à visitação pública.

“Mídia News”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA