CUIABÁ

Siga nossas redes

Brasil

Presidente chegou ao local na manhã desta quarta-feira (14); Bolsonaro sentiu dores abdominais e passa por exames para investigar a causa de crises de soluço

Publicado em

SAÚDE

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu entrada na madrugada desta quarta-feira (14) no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília. Segundo fontes do Palácio do Planalto, Bolsonaro sentiu dores abdominais durante à noite e realiza exames nesta manhã.

Ele passa bem e foi encaminhado ao hospital após orientação de sua equipe médica. Segundo nota da secretaria especial de Comunicação Social da Presidência da República, o presidente deverá ficar em observação no período de 24 a 48 horas – não necessariamente no HFA. 

Com ida de Bolsonaro ao HFA, a reunião entre os presidentes dos poderes Judiciário, Executivo e Legislativo que aconteceria nesta quarta-feira (14) foi cancelada. O encontro deve ser reagendado.

Segundo informações do analista de política da CNN Gustavo Uribe, o presidente sofreu uma obstrução intestinal e deve passar o dia realizando exames na unidade hospitalar das Forças Armadas.

Bolsonaro vem sofrendo com crises de soluços na última semana. Também é avaliado a possibilidade da realização de um cirurgia nos próximos meses para retirada de uma hérnia na região abdominal. 

A nota da secretaria especial de Comunicação Social da Presidência da República informa ainda que os exames desta quarta-feira (14) são “para investigar a causa dos soluços”.

“Por orientação médica, o presidente ficará sob observação, no período de 24 a 48 horas, não necessariamente no hospital. Ele está animado e passa bem”, diz a nota. 

“CNN BRASIL”

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Fiocruz: produção e controle de qualidade do IFA levam 90 dias
Propaganda

SAÚDE

Estudo afirma que café não provoca e pode até evitar arritmia cardíaca

Publicados

em

Um estudo publicado nesta segunda-feira (19/7) na revista científica JAMA Internal Medicine revela que o hábito de tomar café está associado a um risco menor de desenvolver arritmia cardíaca, que é como os médicos chamam a palpitação desregulada no peito. Nesta pesquisa, foram analisadas 386 mil pessoas por três anos e os cientistas compararam os resultados com as taxas de arritmia cardíaca.

“Cada xícara diária adicional de café foi associada a uma redução de 3% no risco de desenvolver arritmia. Essas associações não foram modificadas significativamente por variantes genéticas que afetam o metabolismo da cafeína”, escreveram os cientistas no estudo.

Conduzida por pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Francisco, nos Estados Unidos, a pesquisa também investigou os genes associados ao metabolismo da cafeína que teriam relação com o nervosismo. “Nem o consumo habitual de café nem as diferenças geneticamente mediadas no metabolismo da cafeína foram associadas a um risco elevado de arritmias cardíacas”, concluíram os autores.

Conduzida por pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Francisco, nos Estados Unidos, a pesquisa também investigou os genes associados ao metabolismo da cafeína que teriam relação com o nervosismo. “Nem o consumo habitual de café nem as diferenças geneticamente mediadas no metabolismo da cafeína foram associadas a um risco elevado de arritmias cardíacas”, concluíram os autores.

“METRÓPOLES”

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Remédio contra Ebola é eficaz para quebrar ciclo de replicação do Covid-19
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA