CUIABÁ

Siga nossas redes

COMPETITIVIDADE

Mudança atende solicitação pleiteada pelo Sincalco junto à Sefaz-MT e aprovada pelo Confaz

Publicado em

MATO GROSSO

O governador Mauro Mendes (DEM) assinou na tarde desta sexta-feira (09) a Lei 11.443/2021, que permite a redução da base de cálculo do ICMS nas operações internas com calçados, confecções e tecidos em Mato Grosso.

A Lei, inédita no país, é fruto de articulação entre o Sindicato do Comércio Varejista de Calçados e Couros do Estado (Sincalco-MT), Secretaria Estadual de Fazenda e foi aprovada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária. 

Mendes considerou o Convênio ICMS 34/2021 de abril deste ano, publicado no Diário Oficial da União, e a Lei 11.443/2021 de julho desde ano, e concedeu a redução do tributo aos segmentos.

“Essa redução nos impostos permitirá que as empresas destes setores possam crescer e manter a competitividade. Com o trabalho do secretário de Fazenda, Rogério Gallo, conseguimos a aprovação deste pleito no Confaz, com isso, quando essas empresas atingirem o teto do regime do Simples Nacional, terão uma carga menor de impostos para crescerem ainda mais sem aumentar de forma repentina o peso dos tributos”, explicou.

Quando essas empresas atingirem o teto do regime do Simples Nacional, terão uma carga menor de impostos para crescerem ainda mais sem aumentar de forma repentina o peso dos tributos

O governador destacou ainda que Mato Grosso é o primeiro estado a reduzir a carga tributária destes setores. “É dever do Estado interagir para favorecer e permitir o crescimento das pequenas e microempresas aqui em Mato Grosso”, pontuou.

Rogério Gallo endossou a fala de Mendes e explicou as dificuldades enfrentadas pelas empresas que atingem o limite do Simples Nacional, que no caso do ICMS é de R$ 3,6 milhões de faturamento anual.

“Essas empresas quando batem o limite do Simples Nacional tem a carga tributária elevada de 7% para 17% no ICMS, o aumento no custo tributário de forma abrupta impede que elas consigam competir com outras empresas do mesmo regime e muito menos com o comércio eletrônico. Criamos uma espécie de ‘escada’ gradual nos impostos de acordo com o faturamento da empresa, minimizando o impacto nos tributos”, afirmou.  

Gallo ressaltou o alto nível de debate proposto pelo Sincalco, que ajudou de forma efetiva na construção da proposta que culminou na criação desta lei que beneficiará alguns setores da economia do estado.

O presidente do Sincalco, Junior Macagnam disse que a medida incentivará o crescimento das empresas, e consequentemente poderá trazer a geração de mais emprego e renda.

“Hoje temos uma lei que é segura, constitucional e com todas as garantias, isso fará com que os setores de calçados, confecções e tecidos possam se desenvolver, e isso poderá trazer mais emprego e renda no estado, e inclusive aumentar a arrecadação impostos com o aumento das transações destes setores”, defendeu.

A empresária e suplente do Senado, Margareth Buzzeti parabenizou a atuação do estado em busca da aprovação desta lei. “Um comércio forte é uma indústria forte e isso para nós é o que importa. Foram 18 meses de muito trabalho que garantiram uma conquista inédita no país, e coloca Mato Grosso como pioneiro nesta ação”, argumentou. 

 Entenda como fica

O benefício será concedido para contribuintes que não possuam irregularidade fiscal para com a Fazenda Pública Estadual de Mato Grosso e as novas alíquotas serão de acordo com a receita bruta acumulada nos últimos 12 meses.

Assim, para empresas com receita bruta de até R$ 8 milhões, a carga do ICMS será de 12%; para as que tiveram receita bruta entre R$ 8 milhões e R$ 16 milhões, a alíquota será de 14%; e para empresas com receita bruta superior a R$ 16 milhões até R$ 90 milhões nos últimos 12 meses, o ICMS será de 15% nas operações realizadas dentro do Estado.

O benefício previsto no convênio será recalculado a cada 12 meses, para fins de reenquadramento nas faixas de alíquotas, permanecendo vigente por, no mínimo, mais um ano. Para o cálculo de receita bruta serão considerados todos os estabelecimentos da empresa e as regras só se aplicam às vendas realizadas de forma presencial ao consumidor final pessoa física.

veja como fica: 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputado pede abertura de CPI para apurar preço do Gás de cozinha
Propaganda

MATO GROSSO

Assista! Paciente que sofreu acidente, pode morrer por falta de neurocirurgião em Colíder

Publicados

em

Assista !

Reportagem: Jornalista Joel Teixeira

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Documento dos EUA alerta para ‘risco crescente’ de uma guerra nuclear
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA