CUIABÁ

Siga nossas redes

MATO GROSSO

Trens com 120 vagões e 2,2 quilômetros de extensão começam a operar no Brasil

Publicado em

MATO GROSSO

Planejada para aumentar a capacidade e a eficiência das operações no principal corredor do agronegócio brasileiro — que conecta o município de Rondonópolis (MT) até o Porto de Santos, a Rumo completou em março o primeiro ano do projeto com trens de 120 vagões.

O modelo representa um aumento de aproximadamente 50% de capacidade em relação aos trens que antes circulavam com 80 vagões. Com 11.500 toneladas úteis a bordo de cada composição, a operação registrou volume mensal histórico em março com mais de 5,5 bilhões de TKU (toneladas por quilômetro útil) movimentadas na Operação Norte, volume equivalente a 3,9 milhões de toneladas úteis.

Além do começo promissor em 2022, a empresa já havia registrado em 2021 o maior volume da história da Companhia, movimentando 64 bilhões de TKU. O resultado foi impulsionado pelo fluxo de Mato Grosso, onde a Rumo cresceu 3,7 pontos percentuais, transportando 20 milhões de toneladas úteis que representaram um market share de 43% do volume de grãos exportados.

Somente no ano passado, a empresa contabilizou 1.585 viagens utilizando o modelo com 120 vagões, que representariam proporcionalmente 2.377 viagens de trens com 80 vagões. Ou seja, houve uma redução de 792 viagens a partir da nova operação, medida que além de beneficiar o escoamento do setor produtivo, reduziu a interferência dos trens nos perímetros urbanos dos municípios que atravessa.

Leia Também:  Governo paga salários dos servidores estaduais com acréscimo da RGA nesta sexta-feira (28)

“É uma operação que já trouxe ganhos operacionais expressivos, e a expectativa é ainda maior para 2022 e para os próximos anos”, diz Thiago Alvarenga, gerente executivo de planejamento da Rumo.

Entre as estimativas, a empresa calcula que em 2022, caso mantivesse as operações com apenas 80 vagões, seriam necessários mais de 40 locomotivas e 1.445 vagões para cumprir o mesmo ciclo de viagens que é feito com os trens de 120 vagões. Projetada inicialmente para ser tracionada por cinco locomotivas, o trem passou por estudos e adaptações ao longo de 2021 que viabilizaram o uso de apenas quatro locomotivas na composição. Esse fator e mais o auxílio das tecnologias embarcadas de condução semiautônoma permitem um ciclo mais eficiente para atender as principais regiões produtoras do país.

Operação x perspectivas da safra

Este novo modelo utilizado pela Rumo está sendo impulsionado pela safra plena da soja, cuja estimativa do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) aponta para uma colheita de 39,48 milhões de toneladas no Mato Grosso na safra 21/22, o maior volume da série histórica superando em 9,5% do colhido na safra passada (36,05 milhões de toneladas). Atualmente, a Rumo está embarcando em média 6,5 trens por dia em direção ao Porto de Santos, dos quais cinco saem do principal terminal de grãos da América Latina, em Rondonópolis, volume que representa mais de 74 mil toneladas por dia.

Leia Também:  União passa a vender imóveis diretamente pela internet

Em um dos seus dias mais demandados da operação, foram embarcados 11 trens, sendo 7 saindo de Rondonópolis, o que corresponde a uma movimentação de 126,5 mil toneladas em apenas um único dia. A Malha Central, cujos primeiros trens de 120 começaram a operar no segundo semestre de 2021 saindo dos terminais de São Simão (GO) e Rio Verde (GO), também contribuem para essa perspectiva positiva com operações diárias na região.

“A cada 10 mil toneladas transportadas pela ferrovia, no comparativo com as rodovias, é possível evitar a emissão de aproximadamente 1.500 toneladas de CO², uma compensação equivalente ao plantio de mais de 10 mil árvores na Mata Atlântica”, afirma Alvarenga.

“Engenharia E”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Motorista dorme ao volante após noite de bebedeira e capota Palio na Mário Andreazza

Publicados

em

O motorista de um Palio Weekend perdeu o controle da direção, após dormir ao volante, capotou e bateu na estrutura metálica de uma placa, na Rodovia Mário Andreazza, em Várzea Grande. O acidente aconteceu por volta das 7h deste sábado (06).

Uma testemunha relatou que o condutor dormiu ao volante, após uma noite de bebedeira. A Polícia Militar e o Samu confirmaram a ingestão de bebidas alcoólicas.

O veículo capotou logo na entrada da ponte que liga Cuiabá e Várzea Grande. O carro só parou quando atingiu a placa de boas-vindas à “cidade industrial”.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e prestou atendimento ao homem. Ele foi encaminhado até uma unidade de saúde, onde recebe atendimento médico.

“Repórter MT”

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governo paga salários dos servidores estaduais com acréscimo da RGA nesta sexta-feira (28)
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA