CUIABÁ

Siga nossas redes

Deputada norte-americana causou entrave em negociações diplomáticas

China anuncia suspensão de cooperação com EUA por visita de Pelosi

Publicado em

INTERNACIONAL

A China anunciou nesta sexta-feira (5) a interrupção da cooperação com os Estados Unidos em diversas áreas, incluindo o diálogo entre comandantes militares, em retaliação à visita nesta semana da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan.

O Ministério das Relações Exteriores da China também disse em um comunicado que está interrompendo as conversações climáticas com os Estados Unidos, assim como a cooperação na prevenção do crime transfronteiriço e no repatriamento de imigrantes ilegais, além de outras oito medidas específicas.

Enfurecida depois que Pelosi se tornou a visitante de mais alto escalão dos EUA em 25 anos à ilha autônoma que Pequim considera seu território soberano, a China lançou exercícios militares nos mares e céus ao redor de Taiwan na quinta-feira. Os exercícios com disparos reais, os maiores já realizados pela China no Estreito de Taiwan, estão programados para continuar até o meio-dia de domingo.

O Ministério da Defesa de Taiwan disse nesta sexta-feira que enviou jatos para alertar aeronaves chinesas que entraram na zona de defesa aérea da ilha, algumas das quais cruzaram a linha mediana do Estreito de Taiwan, uma barreira não oficial que separa os dois lados.

Leia Também:  Jair Renan, filho 04, tatua rosto de Bolsonaro no braço: 'orgulho, meu pai'

O Comando do Teatro Leste do Exército de Libertação Popular (PLA) da China disse em comunicado que seus militares realizaram exercícios aéreos e marítimos ao norte, sudoeste e leste de Taiwan nesta sexta-feira “para testar as capacidades conjuntas de combate das tropas”.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que Washington deixou repetidamente claro a Pequim que não busca uma crise com a visita de Pelosi a Taiwan, que ocorreu na quarta-feira durante uma turnê de uma delegação do Congresso norte-americano à Ásia.

“Não há justificativa para essa resposta militar extrema, desproporcional e escalada”, disse ele em entrevista coletiva durante reunião Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), no Camboja, acrescentando que “agora, eles levaram os atos perigosos a um novo nível”.

A Casa Branca convocou o embaixador chinês, Qin Gang, na quinta-feira, para condenar as ações de Pequim. A convocação ocorreu após Pequim convocar o embaixador dos EUA, Nicholas Burns, mais cedo nesta semana sobre a visita de Pelosi à Taiwan.

Leia Também:  Coreia do Sul e EUA lançam mísseis em resposta a testes norte-coreanos

Representantes do Departamento de Estado não responderam imediatamente a um pedido de comentário sobre a suspensão das negociações e cooperação da China em várias frentes.

Os comentários chineses não mencionaram a suspensão das negociações militares nos níveis mais altos, como as conversas com o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, e o chefe do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley. Embora essas conversas tenham sido raras, as autoridades disseram que elas são importantes em caso de emergência ou acidente.

A China anunciou separadamente que irá impor sanções pessoais a Pelosi e sua família imediatamente em resposta a suas ações “viciosas” e “provocativas”.

Pequim disse que suas relações com Taiwan são um assunto interno e que se reserva o direito de colocar a ilha sob controle chinês pela força, se necessário.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

INTERNACIONAL

EUA: guerra na Ucrânia deixará 40 milhões de famintos na África

Publicados

em

A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Linda Thomas-Greenfield, disse nesta sexta-feira (5) que a invasão da Ucrânia pela Rússia deixará 40 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar e que a África subsaariana será a mais atingida.

Os Estados Unidos garantiram US$ 4,5 bilhões para segurança alimentar na cúpula do G7, dos quais contribuíram com US$ 2,76 bilhões.

Também há planos para que os EUA contribuam com  US$ 150 milhões para o desenvolvimento de novas ações de assistência humanitária para a África, mas o Congresso ainda precisa aprovar os recursos, ela acrescentou.

A maioria dos governos africanos têm evitado tomar partido no conflito europeu e se recusaram a se juntar às condenações e sanções ocidentais.

Os africanos “não querem ser pressionados a escolher um lado” em uma repetição da Guerra Fria, mas “precisam conhecer os fatos”, disse Linda.

Embora a energia, as mudanças climáticas, a pandemia e o conflito sejam as principais causas dos problemas globais para o abastecimento de alimentos, a “fonte mais insidiosa” é a fome usada intencionalmente como arma de guerra, disse ela.

Leia Também:  Servidor público vai a motel em carro de prefeitura e é demitido em Roraima

Moscou nega a responsabilidade pela crise alimentar e culpou as sanções ocidentais por desacelerar suas exportações de alimentos e fertilizantes.

Linda refutou essa alegação nesta sexta-feira, sugerindo que a Rússia havia deliberadamente tomado medidas para interromper as cadeias globais de fornecimento de alimentos enquanto culpava o Ocidente.

“Não vimos nenhuma indicação de que a Rússia aceitará uma solução diplomática” para a guerra na Ucrânia, disse ela.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA