CUIABÁ

Siga nossas redes

Era pós-Daniel Dias inicia com 15 campeões diferentes em Portugal

Coluna – Mundial confirma potencial plural da natação paralímpica

Publicado em

ESPORTES

Encerrado no último sábado (18), o Campeonato Mundial de natação paralímpica, em Funchal (Portugal), foi o primeiro grande evento da modalidade desde a aposentadoria do multicampeão Daniel Dias, após a Paralimpíada de Tóquio (Japão). O desempenho brasileiro na Ilha da Madeira confirmou o cenário observado na capital japonesa: uma dependência, cada vez menor, dos resultados de um ou dois nadadores para a classificação no quadro de medalhas.

Nos quatro Mundiais realizados entre 2010 e 2017, Daniel e André Brasil foram responsáveis por 45 das 54 medalhas de ouro conquistadas pelo Brasil (83,3%). Em Paralimpíadas, a importância foi ainda maior, já que apenas eles foram ao topo do pódio (21 vezes ao todo, sendo 14 com Daniel e sete com André) nas três edições realizadas de 2008 a 2016.

Sem André no Mundial de 2019, em Londres (Grã-Bretanha), após o nadador ser considerado inelegível nas provas em que é especialista, o Brasil saiu do top-10 do quadro de medalhas depois de quatro edições, ficando em 11º. Afetado por mudanças nos critérios para classificação funcional (processo que define a categoria do atleta pelo grau da deficiência), que levou nadadores considerados, anteriormente, menos comprometidos fisicamente que ele, para a mesma classe, Daniel foi responsável por um dos cinco ouros brasileiros naquela competição, que teve a então estreante Carol Santiago como destaque (com duas láureas douradas), além da presença de Edênia Garcia e Wendell Belarmino no topo do pódio.

GABRIEL BANDEIRA, Mundial de Natação paralímpica
Gabriel Bandeira foi um dos destaques do Brasil no Mundial com 3 ouros – Ale Cabral/CPB/Direitos Reservados.

Os resultados sinalizaram que o Brasil precisaria ir além de seus maiores nomes para seguir em alta. Os Jogos de Tóquio deram a resposta: cinco atletas diferentes responsáveis pelas oito medalhas douradas na capital japonesa, o dobro do amealhado no Rio de Janeiro, em 2016, quando somente Daniel conquistou ouros (quatro). Carol e Wendell voltaram ao topo, agora na estreia paralímpica de ambos, sendo que a velocista da classe S12 (baixa visão) esteve lá três vezes. Na segunda Paralimpíada da carreira, Talisson Glock ficou com o ouro pela primeira vez. Revelados após o Mundial, os “Gabrieis” Araújo e Bandeira também debutaram com estilo no evento.

Leia Também:  Brasil estreia com goleada sobre a China no futebol feminino

Já no Mundial deste ano, o Brasil teve 15 campeões entre os 29 integrantes da delegação que viajou a Portugal, sendo sete em provas individuais: Carol Santiago, Cecília Araújo, Gabriel Araújo, Gabriel Bandeira, Gabriel Cristiano, Mariana Gesteira e Samuel Oliveira. Apenas três dos nadadores retornaram ao Brasil sem medalhas. Ou seja: quase 90% dos brasileiros estiveram no pódio em Funchal.

O detalhe é que a pluralidade de ouros (19 ao todo) não impediu que o Brasil seguisse com seus multimedalhistas. Carol, por exemplo, foi ao pódio sete vezes, seis delas no topo. Os “Gabrieis” Araújo e Bandeira, além de Samuel, levaram cada um três láureas douradas, enquanto Mariana ganhou outras duas.

Os campeões da Ilha da Madeira também simbolizam presente e futuro da natação paralímpica brasileira, que foi para o Mundial com mais de um terço (35%) da delegação formada por nadadores com menos de 23 anos, seguindo a renovação iniciada em Tóquio. Os dez atletas do recorte foram medalhistas e metade foi ao topo do pódio. Entre eles, Samuel, de apenas 16 anos, que tem brilhado na classe S5 (a mesma em que Daniel Dias competia antes de se aposentar).

4X100M LIVRE REVEZAMENTO S11-S13, mundial de natação paralímpica
Delegação brasileira também brilhou nas provas coletivas em Portugal – Ale Cabral/CPB/Direitos Reservados.

É verdade que China e Rússia, duas das maiores potências da modalidade, não estiveram em Portugal, ainda que por razões diferentes. Os chineses não costumam disputar o primeiro dos dois Mundiais do ciclo, mas devem marcar presença no do ano que vem, em Manchester (Grã-Bretanha). Já os russos estão suspensos pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, sigla em inglês), devido à invasão militar à Ucrânia.

Leia Também:  Finais mineiras definem campeões masculino e feminino da Superliga

Ainda assim, o Brasil deu, sim, um salto em relação a Tóquio, superando britânicos e australianos (que ficaram à frente na Paralimpíada) no quadro de medalhas do Mundial. Já no total de pódios (53), os brasileiros ainda obtiveram 13 a mais que os Estados Unidos, que só terminaram à frente pelo número de ouros (24 a 19).

Em um ciclo reduzido, impactado pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), os resultados na Ilha da Madeira trazem otimismo à natação paralímpica brasileira pensando nos Jogos de Paris (França), em 2024. A prospecção de talentos nas Paralimpíadas Escolares, a maior atenção às categorias de maior comprometimento físico-motor (Gabriel Araújo, por exemplo, é fruto de ambos) e o aumento do protagonismo feminino na seleção explicam o desempenho. Mais plural que nunca, o Brasil deixou o Complexo de Piscinas Olímpicas de Funchal consolidado como potência da modalidade.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPORTES

Silverstone foi “demonstração perfeita” de progresso da F1, diz Brawn

Publicados

em

O Grande Prêmio do Reino Unido deu uma “demonstração perfeita” do que a Fórmula 1 pretendia alcançar com seus carros de 2022 e o quanto o esporte se tornou mais seguro, segundo o diretor-gerente da categoria, Ross Brawn.

O sistema de proteção de cabeça halo contribuiu para salvar a vida do piloto chinês Guanyu Zhou após um enorme acidente na primeira volta, ao mesmo tempo em que a corrida de domingo (3) em Silverstone teve disputas apertadas e ultrapassagens emocionantes.

Carlos Sainz, da Ferrari, obteve na corrida sua primeira vitória na Fórmula 1.

“O que me agradou foi a precisão que os pilotos puderam ter com os carros. Vimos inúmeras batalhas fascinantes que aconteceram por várias curvas, com várias mudanças de posição”, disse Brawn em uma coluna no site da F1. “Vimos que os pilotos conseguiram fazer várias filas com esses carros novos – e isso permitiu que dois, três ou até quatro carros andassem quase lado a lado. A qualidade também foi alta”, acrescentou.

Brawn, ex-chefe de equipe e diretor técnico, disse que os pilotos foram positivos sobre a mudança e a capacidade de seguir de perto os carros da frente sem turbulência.

Leia Também:  Após os sucessos de Rodrygo e Vini Jr, Real Madrid se prepara para fechar com mais uma joia do futebol brasileiro

Segundo ele, a corrida mostrou que o esporte e a FIA tomaram a direção certa com as mudanças nas regras aerodinâmicas introduzidas nesta temporada para tornar as corridas mais disputadas e mais emocionantes.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA