CUIABÁ

Siga nossas redes

ECONOMIA

BC mantém taxa básica de juros em 13,75%, de olho na expansão de gastos no governo Lula

Publicado em

ECONOMIA

 Com a possível autorização pelo Congresso para que o novo governo eleito abra a torneira e libere bilhões em gastos extras em 2023 por meio da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de Transição, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve nesta quarta-feira, 7, em decisão unânime, a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano pela terceira reunião consecutiva, como era amplamente esperado.

Mesmo com a estabilidade, a taxa está no maior patamar em cerca de seis anos, depois do mais longo ciclo de alta de juros da história do Copom, iniciado em março de 2021.

No comunicado da decisão, o comitê do BC alerta para os riscos fiscais e cita incerteza sobre o futuro arcabouço fiscal do País, diante da perspectiva da revogação do teto de gastos – regra que limita as despesas do governo à variação da inflação.

“Entre os riscos de alta para o cenário inflacionário e as expectativas de inflação, destacam-se uma maior persistência das pressões inflacionárias globais; a elevada incerteza sobre o futuro do arcabouço fiscal do país e estímulos fiscais adicionais que impliquem sustentação da demanda agregada”, diz o comunicado.

Leia Também:  BNDES aprova contratação de fundo de fomento para ação socioambiental

A decisão ocorre em meio à tramitação no Senado da PEC da Transição, que prevê uma “licença” para a expansão de despesas pelo novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva de modo a acomodar promessas eleitorais, como o pagamento do Bolsa Família de R$ 600. O texto aprovado ontem pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado abre espaço para R$ 168 em gastos.

 

Sede do Banco Central, em Brasília/Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil - 6/5/2020

Sede do Banco Central, em Brasília/Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil – 6/5/2020© Fornecido por Estadão

Os gastos liberados pela PEC devem atuar em sentido contrário ao esforço do Copom para conter a inflação. Assim como na reunião de outubro, o Copom voltou a dizer que “se manterá vigilante” e que não hesitará em voltar a elevar a Selic caso o processo de perda de fôlego da inflação não ocorra como o planejado.

O aumento do juro básico da economia reflete em taxas bancárias mais elevadas, embora haja uma defasagem entre a decisão do BC e o encarecimento do crédito (entre seis meses e nove meses). A elevação da taxa de juros também influencia negativamente o consumo da população e os investimentos produtivos. Por outro lado, aplicações em renda fixa, como no Tesouro Direto e em debêntures (títulos de empresas), passam a render mais.

Juro real

Mesmo com a estabilidade da taxa Selic pela terceira reunião consecutiva, o Brasil continua a ter a maior taxa de juro real (descontada a inflação) do mundo, em uma lista com 40 economias. Cálculos do site MoneYou e da Infinity Asset Management indicam que o juro real brasileiro está agora em 8,16% ao ano.

Leia Também:  Governo só deve decidir sobre reajuste de servidores no final de março

Em segundo lugar na lista que considera as economias mais relevantes, aparece o México (5,39%), seguido da Chile (4,66%). A média dos 40 países avaliados é de -2,16%.

Essa foi a última reunião do Copom no governo de Jair Bolsonaro. Quando o atual mandatário assumiu o Planalto, em janeiro de 2019, a Selic estava estacionada em 6,50% há seis reuniões consecutivas do colegiado. A partir de julho do mesmo ano, o BC passou a reduzir os juros, acelerando o processo após a chegada da pandemia de Covid-19 ao Brasil – a Selic atingiu o piso histórico de 2,0% ao ano entre agosto de 2020 e março de 2021.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Petrobras reduzirá preço do gás natural a distribuidoras em 11,1% a partir de fevereiro

Publicados

em

A Petrobras anunciou nesta terça-feira (10) que os preços de venda de gás natural a distribuidoras terão redução de 11,1%, em média, a partir de 1º de fevereiro, em relação aos preços praticados no trimestre novembro-dezembro-janeiro.

Os contratos da estatal com as distribuidoras preveem atualizações trimestrais e vinculam a variação do preço do gás às oscilações do petróleo Brent e da taxa de câmbio.

Segundo a Petrobras, o petróleo teve queda de 11,9%, e o câmbio teve depreciação de 0,2%. Houve ainda, conforme previsto nos contratos celebrados no final de 2021 e com vigência de 2022 a 2025, redução na fórmula de precificação que passou de 16,75% do Brent para 14,40% do Brent.

“Reuters”

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Produção total de óleo equivalente tem alta de 2,6% no 3º trimestre
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA