CUIABÁ

Siga nossas redes

Cotidiano

Advogada do Amapá, processa marido por ele ter pênis pequeno. Ela pede R$ 200 mil

Publicado em

Cotidiano

KDB, 26 anos, advogada e residente no município de Porto Grande, no Amapá, decidiu processar seu ex-marido por uma questão até então inusitada na jurisprudência nacional. Ela processa ACD, comerciante de 53 anos, por insignificância peniana.

Embora seja inédito no Brasil, os processos por insignificância peniana são bastante frequentes nos Estados Unidos e Canadá. Esta moléstia é caracterizada por pênis que em estado de ereção não atingem oito centímetros. A literatura médica afirma que esta reduzida envergadura inibe drasticamente a libido feminina, interferindo de forma impactante na construção do desejo sexual.

O casal viveu por dois anos uma relação de namoro e noivado, e durante este tempo não desenvolveu relacionamento sexual de nenhuma espécie em função da convicção religiosa de ACD. KDB hoje o acusa de ter usado a motivação religiosa para esconder seu problema crônico. Em depoimento a imprensa, a denunciante disse que “se eu tivesse visto antes o tamanho do ‘problema’ eu jamais teria me casado com um impotente”.

A legislação brasileira considera erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge quando existe a “ignorância, anterior ao casamento, de defeito físico irremediável, ou de moléstia grave”. E justamente partindo desta premissa que a advogada pleiteia agora a anulação do casamento e uma indenização de R$ 200 mil pelos dois anos de namoro e 11 meses de casamento.

ACD que agora é conhecido na região como Toninho Anaconda, afirma que a repercussão do caso gerou graves prejuízos para sua honra e também quer reparação na justiça por ter tido sua intimidade revelada publicamente.”

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  NÃO FOI NO "GARRAFÃO": Soldado que salvou homem de tentativa de homicídio em Colniza é homenageada
Propaganda

Cotidiano

Jovem morde parte de dedo em decomposição em hambúrguer

Publicados

em

Uma jovem mordeu uma parte de um dedo em decomposição ao comer um hambúrguer na sua rede de fast-food favorita, a Hot Burger, em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, no último domingo (12/9).

Estefany Benítez sentiu algo estranho enquanto mastigava e teve repulsa ao puxar parte de um dedo decepado da boca.

Uma funcionária implora: “Por favor, diga-me o que você quer e nós daremos a você”, enquanto explica que a carne é pré-preparada em outro lugar. “Nada assim já tinha acontecido conosco antes”, acrescentou ela, em vídeo que viralizou nas redes.

A Hot Burger chamou o caso de “infeliz incidente”, explicando que um funcionário perdera parte de um dedo enquanto trabalhava.

A polícia confirmou à mídia local que um trabalhador sofrera o acidente no trabalho. A filial foi fechada e a empresa foi autuada pelo Ministério de Defesa dos Direitos do Usuário e Consumidor.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Notícia fake sobre “colidense morto em acidente em outra cidade” e que seria enterrado como indigente, gera milhares de compartilhamentos em Colíder e região
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA