Gerente da fazenda é atingido por disparos de arma de fogo em Colniza
Massacre em Paracatu: homem mata a ex na casa dela e outros três em igreja evangélica ( veja vídeo )
Publicado em 18/12/2018
Setor industrial: Mato Grosso registra segunda maior queda do país
Economia
Setor industrial: Mato Grosso registra segunda maior queda do país

Por Mariana Perez 

Apenas cinco dos 15 locais pesquisados pelo IBGE tiveram taxas positivas na atividade industrial de setembro para outubro de 2018. Na ponta negativa, Mato Grosso registrou o segundo maior recuo nacional ao apresentar queda mensal de 2,7%, atrás apenas de Pernambuco, cuja retração foi de 10,1%.

Conforme dados da Pesquisa Industrial Mensal Regional, divulgada ontem pelo IBGE, os aumentos mais intensos foram no Amazonas (12,4%) e Santa Catarina (4,4%). Espírito Santo (1,9%), Bahia (1,1%) e Minas Gerais (1,1%) completaram o conjunto de locais com resultados positivos no mês.

Por outro lado, completam o ranking de perdas mensais ao lado de Pernambuco e Mato Grosso, Ceará (-2,6%), Paraná (-2,5%), Pará (-2,5%), Rio Grande do Sul (-2,1%), Região Nordeste (-1,9%), Goiás (-1,0%) e Rio de Janeiro (-0,8%) também recuaram em outubro de 2018. São Paulo (0,0%), parque industrial mais diversificado do país, mostrou variação nula.

Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral para o total da indústria recuou 0,7% no trimestre encerrado em outubro de 2018 frente ao nível do mês anterior. Em termos regionais, nove locais tiveram taxas negativas, com destaque para os recuos mais intensos observados no Paraná (-1,8%), São Paulo (-1,6%), Pernambuco (-1,4%) e Região Nordeste (-0,8%). Por outro lado, Ceará (0,8%) e Espírito Santo (0,7%) registraram os principais avanços em outubro de 2018.

Na comparação com outubro de 2017, a indústria mato-grossense soma queda ainda maior: 3%. Na comparação anual – outubro ante outubro – a atividade cresceu 1,1% na média nacional e aponta expansão em 11 dos 15 locais pesquisados.

Goiás (-6,5%) teve o recuo mais intenso, pressionado, principalmente, pelas quedas em coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, de veículos automotores, reboques e carrocerias e de outros produtos químicos. Rio de Janeiro (-3,1%), Mato Grosso (-3%) e São Paulo (-2,8%) completaram o conjunto de locais com taxas negativas nesse mês.

Rio Grande do Sul (14,8%) e Pará (12,9%) tiveram os avanços mais acentuados, impulsionados, em grande parte, pelo crescimento observado nos setores de veículos automotores, reboques e carrocerias, celulose, papel e produtos de papel e produtos de metal no primeiro local; e de indústrias extrativas, no segundo.

Santa Catarina (7,8%), Bahia (7,1%), Espírito Santo (5,3%), Pernambuco (4,7%), Região Nordeste (2,6%), Amazonas (1,9%), Minas Gerais (1,8%), Ceará (1,5%) e Paraná (1,2%) também registraram taxas positivas mais elevadas do que a média nacional (1,1%).

DEZ MESES – No acumulado do período janeiro-outubro de 2018, frente a igual período de 2017, houve alta em doze dos quinze locais pesquisados, com destaque para os avanços mais acentuados no Pará (10,1%), Amazonas (6,9%), Pernambuco (6,8%) e Rio Grande do Sul (5,6%). Santa Catarina (4,4%), Rio de Janeiro (2,8%) e Paraná (2%) também registraram crescimento acima da média da indústria (1,8%), enquanto São Paulo (1,8%), Região Nordeste (1,1%), Bahia (0,9%), Ceará (0,4%) e Mato Grosso (0,3%) completaram o conjunto de locais com resultados positivos. Por outro lado, Goiás (-3,5%), Espírito Santo (-1,8%) e Minas Gerais (-1,3%) tiveram recuos no índice acumulado no ano.

Em 12 meses, ao avançar 2,3% em outubro de 2018, a indústria nacional perdeu de ritmo frente aos resultados de julho (3,3%), agosto (3,1%) e setembro (2,7%). Em termos regionais, 12 dos 15 locais pesquisados mostraram taxas positivas em outubro de 2018, mas dez deles tiveram menor dinamismo frente aos índices de setembro. Mato Grosso (de 3,3% para 0,9%), Goiás (de 0,2% para -1,4%), Rio de Janeiro (de 4,6% para 3,4%), Amazonas (de 7,9% para 7,0%), São Paulo (de 3,7% para 2,8%) e Ceará (de 1,4% para 0,8%) registraram as principais reduções de ritmo entre setembro e outubro, enquanto Rio Grande do Sul (de 3,4% para 4,8%), Bahia (de 0,1% para 0,9%), Espírito Santo (de -2,5% para -1,8%) e Pernambuco (de 5,8% para 6,5%) tiveram os principais ganhos de ritmo.

Fonte: Diário de Cuiabá

Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira