Show do DJ Alok na próxima quinta-feira em Peixoto de Azevedo, esgota venda de bangalôs
Supermercados Machado de Colíder, repassam mais de R$ 5 mil à Apae e Lar dos Vicentinos
Garotinho de projeto social de União do Sul é Campeão Brasileiro de Hapkido Esportivo
Barco de turismo vira na Índia e deixa ao menos 11 mortos
Publicado em 11/04/2019
Senadora Selma Arruda é cassada e fica inelegível
Ela diz que recorrerá à instâncias superiores
Política
Senadora Selma Arruda é cassada e fica inelegível
Após pouco mais de dois meses de mandato, a senadora Selma Arruda (PSL-MT) teve o mandato cassado pelo Tribunal Eleitoral (TRE-MT) do estado, nesta quarta-feira (10/4). Ela é acusada de omitir da Justiça despesas de R$ 1,2 milhão durante a campanha de 2018, o que configura caixa 2 e abuso de poder econômico. Selma será substituída por Gilberto Possamai, o primeiro suplente que foi o PSDB para o PSL.
 
Em nota, a senadora disse que vai recorrer. "Estou tranquila com a decisão proferida nesta quarta pelo Tribunal Regional Eleitoral. A tranquilidade que tenho é com a consciência dos meus atos, a retidão que tive em toda a minha vida e que não seria diferente na minha campanha e trajetória política. Respeito a Justiça e, exatamente por esse motivo, vou recorrer às instâncias superiores, para provar minha boa fé e garantir que os 678.542 votos que recebi sejam respeitados".
 
Relator do processo, o desembargador Pedro Sakamoto se manifestou a favor da perda do mandato de Selma ao apontar que ela teve gastos não declarados durante a campanha eleitoral. Não houve, segundo ele, qualquer registro dos R$ 1,2 milhão nos documentos contábeis apresentados ao Judiciário.
 

magistrados que compõem o pleno do tribunal. Eles não concordaram, no entanto, que a vaga fosse ocupada interinamente pelo terceiro colocado nas eleições do ano passado, Carlos Fávaro. Por maioria, decidiram que uma nova eleição deve ser realizada. Assim, Possamai poderá ser retirado do cargo.

 
O dinheiro que supostamente foi omitido por Selma Arruda corresponde a 72% do gasto declarado na campanha. "Saiu em larga vantagem em relação aos outros candidatos, ferindo o princípio da isonomia", disse o juiz relator. Selma e o suplente foram considerados inelegíveis e não podem concorrer nas próximas eleições. 
Fonte: Correio Brasiliense
Ataques na Arábia Saudita provocam alta nos preços do petróleo
Irã dá primeiros passos para permitir que mulheres frequentem estádios
Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
Guaidó anuncia que mecanismo de diálogo com Maduro 'se esgotou'
Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira