CUIABÁ

Siga nossas redes

POLÍTICA

Deputado Claudinei discute demandas dos caminhoneiros de MT

Publicado em

POLÍTICA


Foto: SAMANTHA DOS ANJOS / Assessoria de Gabinete

O vice-presidente da Comissão de Infraestrutura Urbana e de Transportes da Assembleia Legislativa, deputado estadual Delegado Claudinei (PSL), se encontrou com o vice-presidente eleito do Sindicato dos Trabalhadores  em Transportes Terrestres de Rondonópolis (STTRR), Gildevan Ribeiro, na sexta-feira (4), para tratar de assuntos relacionados à categoria de caminhoneiros, como estradas e rodovias que necessitam de recuperação asfáltica no município e região.

“Desde o início do nosso mandato, lutamos e defendemos a classe, seja indicando prioridade de vacinação na pandemia da Covid-19, seja cobrando o Poder Executivo para recuperação das estradas e rodovias. Não podemos deixar de reconhecer que os caminhoneiros movimentam esse país. Eles são responsáveis em atender as necessidades da sociedade. É uma atividade de grande importância para todos nós”, declarou Claudinei.

No encontro, o deputado relatou que o pai exerceu a profissão por cerca de 20 anos como caminhoneiro e, nessa oportunidade, ele pôde sentir de perto como é ter um integrante em seu convívio familiar pertencente a essa categoria. “O meu falecido pai também foi caminhoneiro no Paraná, por quase 20 anos. A gente acompanhou o amor que ele tinha pela profissão, os problemas que ele enfrentava com estradas em situações precárias, os riscos de acidentes e de assaltos, o que ocasionava a falta de segurança nas estradas. Então, a gente acompanhava as histórias dele e tem esse carinho por essa categoria já há um bom tempo”.

Leia Também:  TRE-MT cita falhas "desimportantes" e livra deputada de cassação em MT

Gestão – Claudinei aproveitou para esclarecer para Gildevan que desde o início do mandato, em fevereiro de 2019, busca apoiar a área de transportes. Uma das pautas defendidas foi sobre como intensificar a segurança aos motoristas de caminhões e carretas que trafegam em estradas, inclusão e avanços com a vacinação contra Covid-19 em caminhoneiros, distribuição de kits de higiene a caminhoneiros para combate a pandemia, tratativas sobre medidas para desburocratizar o transporte rodoviário de cargas, criação e regulamentação de empresas para cadastro de furto e roubo de cargas e tabela de frete.

“O setor dos transportes é bastante amplo. Afinal, não envolve só a questão da saúde e qualidade de vida dos caminhoneiros, tem a questão econômica, as condições de trabalho, principalmente referente às estradas, para garantir a integridade física dos profissionais. Na questão da segurança, nos reunimos, no ano passado, com a diretoria da Polícia Civil para verificar a situação de roubo de cargas nas estradas, não só em Rondonópolis, como em outros municípios, e, felizmente, conseguiram derrubar uma grande quadrilha. E a gente continua fiscalizando e cobrando demandas que necessitam de atenção em relação à recuperação de estradas. Já me coloquei à disposição do Gildevan para nos passar todas as solicitações necessárias”, pontuou Claudinei.

Leia Também:  CST discute projeto de leitura no sistema prisional de Cuiabá e Cáceres

O vice-presidente eleito demonstrou satisfação com o contato do parlamentar e o apoio dele à categoria. “É uma categoria que precisa ser respeitada, merece ser vista e ser ouvida. O que a gente puder fazer de esforço para melhorar nos trâmites entre o motorista e a solução, a gente vai estar buscando as melhorias para a categoria. O ‘eu’ sozinho é tudo muito mais difícil e o ‘nós’ podemos fazer mais”, finalizou Ribeiro.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA

Brasil teve 939 registros de crimes eleitorais e 307 prisões

Publicados

em

Balanço da Operação Eleições 2022 divulgado às 17h pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública contabiliza 939 crimes eleitorais e 307 prisões em todo o país neste domingo (2) de eleições. Foram 233 registros de crimes de boca de urna e 149 de compra de votos/corrupção eleitoral. Há, ainda, 33 casos de violação ou tentativa de violação do sigilo do voto.

O estado com maior número de flagrantes de crimes eleitorais é Minas Gerais, com 97 registros. Goiás e Paraná tiveram 91 registros de prisão, cada. Acre vem na sequência com 72 flagrantes de crimes, seguido do Pará e do Rio de Janeiro, ambos com 60 registros.

Das 307 prisões, 38 foram registradas em Roraima; 32 no Amazonas; 30 no Pará; 25 em Minas Gerais; e 24 no Acre e no Amapá. Foram 40 casos de transporte irregular de eleitores, dos quais 11 no Pará; seis no Amazonas; e cinco no Rio Grande do Norte.

Os estados com mais registros de boca de urna são Paraná e Goiás – ambos com 28 registros. Na sequência vem Acre e Minas Gerais, com 23 ocorrências cada; Rio de Janeiro (21); Mato Grosso (15) e Santa Catarina (13).

Leia Também:  Prefeitura que copiou decreto de cidade de São Paulo corrige erro

Até o momento, R$ 1,969 milhão foi apreendido com suspeitos. No Paraná foram apreendidos R$ 700 mil. No Piauí, mais R$ 383,8 mil; e em Roraima, R$ 207 mil. Ao todo, 11 armas foram apreendidas próximas aos locais de votação.

Dos 74 crimes comuns cometidos em locais de votação, 64 foram contra candidatos. O Rio de Janeiro é o estado com maior quantidade deste tipo de crime (24), com uma incidência quatro vezes maior do que a do segundo lugar, que foi Goiás, com seis ocorrências. Em terceiro lugar está o Ceará, com cinco registro de crimes contra candidatos.

Dos 20 casos de falta de energia elétrica nos locais de votação, nove foram em Minas Gerais; quatro no Piauí; três no Amazonas. Bahia, Distrito Federal, Espirito Santo e Maranhão registraram um caso, cada.

Ainda segundo o balanço do ministério, até o momento foram registrados 92 incidentes de segurança pública e defesa civil. Em Minas Gerais foram 31 incidentes. Goiás e Piauí tiveram 13 incidentes, cada, seguidos de Pernambuco (6).

Leia Também:  Termina prazo para tirar versão impressa do título eleitoral

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA