Gerente da fazenda é atingido por disparos de arma de fogo em Colniza
Massacre em Paracatu: homem mata a ex na casa dela e outros três em igreja evangélica ( veja vídeo )
Publicado em 22/04/2019
Menina de 11 anos relatava os abusos sexuais em diário; pai confessa que jogou feto em rio
Policia
Menina de 11 anos relatava os abusos sexuais em diário; pai confessa que jogou feto em rio

Por Rafael Medeiros

O caso de L.P.P., de 11 anos, chamou a atenção dos cuiabanos durante esta semana. A garota que ficou grávida do próprio pai e que acabou realizando aborto provocado por medicamentos dados pelo genitor, revelou carícias íntimas em um diário, quando ela tinha 9 anos.

A informação consta do depoimento da mãe da vítima, que O Bom da Notícia teve acesso. Segundo a mãe N.P.G., há dois anos ela se deparou com as declarações suspeitas da criança em seu diário, a menina dizia que amava o pai [de paixão], com quem trocava carícias e beijos. Na época, a  mãe estranhou que havia grande contato físico entre a filha e o marido. Então, chamou a filha para uma conversa. 

A menina alegou que os beijos eram só “selinhos” dados pelo pai biológico. Na ocasião o marido questionou a mulher e disse que se tratava de carinho de ‘pai para filha’.

A mãe conta que chegou a entregar as anotações da filha para a cunhada, que mostrou o material para uma psicóloga, que a orientou a manter vigilância na família. Depois disso a mãe esqueceu o assunto.

Após quase dois anos, nas últimas semanas a mulher percebeu que a filha caçula apresentava grandes mudanças no corpo, com o aumento da barriga. A filha mais velha, de 14 anos, disse que as amigas na escola comentaram que a irmã parecia estar grávida.

Depois do aborto, na madrugada de terça-feira (16), os abusos vieram à tona. Em depoimento o frentista Cleiton da Paixão Guimarães, 39 anos, confessou os abusos, alegando que manteve relação sexual com a filha em três ocasiões. O maníaco sexual confessou ainda que jogou o feto de cerca de 5 meses no rio Coxipó. Cleiton teve a prisão em flagrante convertida em preventiva. O juiz Marcos Faleiros, da 11° Vara Militar, pediu uma 'cela segura' para o detento não morrer nas mãos dos criminosos.

A criança

A menina continua hospitalizada e será ouvida em inquérito policial da Delegacia de Defesa dos Direitos da Criança (Deddica).

Fonte: O Bom da Notícia

Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira