Ex-prefeito de Alto Taquari perde direitos políticos por improbidade administrativa
Nobel de Economia premia trio pelo combate à pobreza no mundo
Nossa luta contra Bolsonaro é a mesma que fizemos contra Lula e Dilma, diz cacique Raoni
PRF apreende quase 3 toneladas de maconha em caminhão-tanque
Publicado em 08/10/2019
Ex-policial assassino confesso de enfermeira em Sinop foi afastado da PM por surto psicótico, diz fonte
Até o momento as autoridades não divulgaram oficialmente o nome do ex-PM
Policia
Ex-policial assassino confesso de enfermeira em Sinop foi afastado da PM por surto psicótico,  diz fonte

Por Joel Teixeira

Segundo fontes ligadas à Segurança Pública, o ex-policial Marcos Vinícius Pereira Ricardi, 26 anos, assassino confesso da enfermeira Zuilda Correia Rodrigues, foi afastado da PM por surtos psicóticos e comportamentos incompatíveis com a função que exercia. Ele teria feito parte da corporação por pouco tempo.

Após ser afastado, Marcos conseguiu emprego numa empresa que faz espetinhos de carnes. O empreendimento é do empresário Ronaldo Rosa marido da vítima, a enfermeira Zuida Correia Rodrigues, 43 anos. Zuilda desapareceu dia 27/09. Segundo o marido dela, a mulher ficou em casa, por volta das 19h ele foi para o local de venda dos espetinhos no centro de Sinop, ela disse que iria ajuda-lo logo depois. Por volta das 20h, “preocupado” porque Zuilda não apareceu, ele foi até à residência em que viviam, não a encontrou, mas imaginou que ela estava numa igreja. Ao retornar para casa no final do expediente noturno, Ronaldo encontrou uma caminhonete SW4 do casal, fora da garagem e com marcas de sangue e cabelo, o marido não avisou à policia e só compareceu para registar o fato no outro dia (28/09).

O corpo de Zuilda foi encontrado na manhã de hoje(8/10), dez dias após o desparecimento dela. Estava em um buraco numa região de mata, próxima à cidade. O marido Ronaldo está foragido desde que soube que o corpo da mulher foi localizado. O ex-policial Marcos Vinícius Pereira Ricardi foi preso e confessou ter assassinado a enfermeira a mando de Ronaldo.

A Polícia Militar ainda não pronunciou a respeito do caso nem sobre o ex-policial da corporação em Sinop.

A imprensa aguarda uma coletiva das autoridades responsáveis pelo caso.

ATUALIZADA

Em entrevista coletiva à imprensa na tarde dessa terça-feira(8), o delegado da  Divisão de Homicídios, Dr Carlos Eduardo falou sobre o trabalho realizado durante todo o dia sobre o crime. Ele não quis falar o nome do suspeito, assassino confesso, por ser um policial militar, disse que não falaria por respeito à PM, já o comandante coronel Wesney de Castro Sodré, do Terceiro Comando da Polícia Militar disse que por ter sido recém-empossado  em Sinop não tinha muito conhecimento sobre o suspeito preso. Perguntado sobre o nome do assassino confesso, Wesney limitou-se a falar apenas o último sobrenome dele, "Ricardi". O comandante disse ainda que o PM Marcos Vinícius Pereira Ricardi não foi afastado por surtos psicóticos, mas por outras ações contra a conduta de um policial. No entanto o comandante não  disse quais seriam as condutas que levaram ao afastamento de Marcos.

Segundo Wesney o suspeito do crime cruel de feminicídio, ficará preso no quartel da Polícia Militar porque, mesmo respondendo por um ato demissional ele ainda pertence à instituição e deverá seguir para uma cela reservada para criminosos que são militares. "Ele não terá nenhuma regalia, ficará em uma cela comum, com horário de visitas," disse o comandante.

Ao menos 400 crianças venezuelanas chegaram ao Brasil sozinhas
Seleção brasileira masculina vence Copa do Mundo de vôlei
Ex-prefeito de Alto Taquari perde direitos políticos por improbidade administrativa
Assista! Onça invade residência em Cáceres essa manhã
Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira