CNH, cadeirinha, farol: veja mudanças na lei de trânsito que começam a valer nesta segunda
2ª Turma nega recurso da PGR e mantém suspeição de Moro em caso do Banestado
Caso Henry: conheça o software que foi fundamental para prisão do casal
Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina hoje
Publicado em 05/04/2021
Enfermeira denuncia e acusa hospital por desligar oxigênio e matar pacientes em Cuiabá
Policia
Enfermeira denuncia e acusa hospital por desligar oxigênio e matar pacientes em Cuiabá

Da redação TV Notícias 

De acordo com uma publicação do site de notícias FolhaMax, uma enfermeira procurou a Polícia Civil na manhã desta segunda-feira (5) para denunciar que o hospital São Judas Tadeu, em Cuiabá, estaria desligando o oxigênio de pacientes internados com Covid-19. A profissional teria dito que o hospital está retirando os cilindros de oxigênio e deixando os pacientes morrerem. Ela disse ainda que tem provas que podem incriminar o hospital e irá  apresentá-las às autoridades.

A enfermeira teria sido demitida por não aceitar a “estratégia da morte”. Ela disse ao site, que estava em uma delegacia para registrar o caso. 

A mulher afirmou que o caso, inclusive, aconteceu com o major da Polícia Militar, Thiago Martins de Souza, que morreu na madrugada deste domingo (4).

"Vou contar para todo mundo que estão matando pacientes. Se a Polícia, se o Coren entrarem lá, vão ver que ali dentro os pacientes estão sendo tratados de forma incorreta. Eles estão sendo intubados de qualquer jeito, chega a sair sangue pelo olho e pelo nariz. É muito feio de se ver" disse a enfermeira.

"Isso ai é para superfaturar e ganhar dinheiro. Internar o paciente em sofá, paciente fica com fome. Tenho provas, tenho fotos e conversas", concluiu. 

OUTRO LADO

Por meio de nota, o Hospital São Judas Tadeu negou as acusações da ex-funcionária.

Veja a íntegra:

O Hospital São Judas Tadeu vem, nesta oportunidade, negar veementemente todas as notícias veiculadas na data de hoje, 5 de abril de 2021, que envolvem condutas supostamente promovidas em desfavor da saúde dos pacientes.

As acusações espúrias foram proferidas por uma funcionária que trabalhou 50 dias na Instituição, e foi demitida na semana passada justamente por práticas dissonantes com as exigidas pelo Hospital e, por isso, utiliza-se dessa pauta com cunho de promover retaliação e vingança.

É evidente que as afirmações são desprovidas de qualquer fundamento e principalmente provas. Diante da gravidade, o Hospital está empenhado na adoação das medidas cíveis e criminais cabíveis em face da profissional e isso será a maior resposta que poderemos dar a população. 

De qualquer forma, reforçamos que o Hospital São Judas Tadeu é uma Instituição séria e respeitada, com histórico de excelência em serviços prestados à população cuiabana há mais de 35 anos. 

Sempre atuamos com profissionais sérios e comprometidos com a ética e o bem estar dos pacientes e assim permaneceremos nossa caminhada.

Unidade hospitalar acusada pela enfermeira 

TV Notícias com Folha Max 

Covid-19: vacinados devem observar intervalo entre imunizantes
2ª Turma nega recurso da PGR e mantém suspeição de Moro em caso do Banestado
Polícia Federal deflagra Operação Checker para combater fraudes no Auxílio Emergencial.
Caso Henry: conheça o software que foi fundamental para prisão do casal
Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira