CUIABÁ

Siga nossas redes

ECONOMIA

Mãe e filha apostam em roupas sem gênero e faturam mais de R$ 100 mil por mês em vendas na pandemia

Empresa de Sorocaba (SP) tem sucesso nas vendas durante a pandemia com a produção de roupas sem gênero para crianças e adultos usando materiais sustentáveis.

Publicado em

ECONOMIA

Por Pâmela Ramos,Sorocaba e Jundiaí

Cores vibrantes e detalhes sutis são características presentes na coleção de roupas “sem gênero” de uma empresa de Sorocaba (SP). As fundadoras são mãe e filha, que buscaram inovar trazendo a essência da infância para além das classificações de gênero. A aposta no produto deu certo e resultou em mais de R$ 100 mil por mês com as vendas durante a pandemia.

Em entrevista ao G1, uma das fundadoras da empresa, Larissa Narcci, explicou que o motivo do sucesso nas vendas pode estar relacionado ao investimento nas plataformas digitais e também a busca pelo conforto em casa, algo que se tornou prioridade durante a pandemia.

“Quando começou a pandemia, em março do ano passado, a gente ficou super preocupada com o que ia acontecer. A gente teve, em média, um aumento de 10 vezes do valor neste período. Acho que o cliente brasileiro não estava tão acostumado a comprar pela internet e começou a testar. Foi uma surpresa positiva”, conta.

A empresa surgiu em 2016 apenas com Larissa e a mãe, Corina Mendes. O ateliê onde as peças eram criadas funcionava em uma pequena edícula na casa de Corina, em Sorocaba. Um quarto de hóspedes de Larissa, na capital paulista, também servia de espaço para organização do negócio da família.

O crescimento nas vendas foi gradativo, mas surpreendeu as fundadoras durante maio e abril deste ano, quando a empresa faturou R$ 140 mil em cada mês, o maior valor desde então. Em 2019, por exemplo, a empresa faturava de R$ 3.500 a R$ 12 mil por mês. Já em 2020, as vendas chegaram ao valor de R$ 60 mil a R$ 100 mil.

Leia Também:  Governo deve reduzir impostos apenas do diesel, afirma Lira

A identidade visual da empresa destaca as roupas “sem gênero” para adultos e crianças logo na descrição do site na internet, o único e principal meio de divulgação dos produtos. Apesar de o termo chamar a atenção de quem nunca ouviu falar no assunto, o significado nada mais é do as roupas consideradas “unissex”.

A busca pelo conforto foi um guia importante no processo de criação das peças para as fundadoras. Roupas para “brincar” ou para qualquer hora do dia era a proposta principal. Outro aspecto que também buscaram trazer foi a confecção dos itens com materiais sustentáveis.

“A nossa roupa é confortável, bonita. Só que mais que tudo, o importante é se sentir confortável. As pessoas começaram a prestar atenção se as roupas estavam confortáveis e a sustentabilidade é uma preocupação que vem crescendo. Eu sei que não é uma coisa que toda a peça tem, mas acho que isso agrega e traz um diferencial.”

Atualmente, as peças são entregues em todo o Brasil, mas o maior volume de pedidos se concentra na capital paulista. A empresa também ampliou o quadro de costureiras e demais funcionários que auxiliam produção.

 

'Roupas não têm gênero'

Roupas mais leves e confortáveis foram mais procuradas pela jovem Michele Talita Batista Nunes, de 24 anos, após se tornar mãe da pequena Yoko, que completou um ano em junho deste ano.

Em entrevista ao G1, a jovem conta que passou a comprar pela internet as roupas para a filha porque não conseguia encontrar as peças em lojas físicas.

Para a psicóloga, Maíra Passaro Gonçalves Martins, é importante que exista uma abertura de escolha da criança, porque ela se desenvolve a partir da genética e interação dela com o meio ambiente.

Leia Também:  Parcelas em atraso do Minha Casa Minha Vida estão suspensas; entenda

"O que eu acredito ser mais importante, em relação a vestimenta das crianças, é respeitar a vontade delas, mostrando o que a sociedade tem o costume de propor para cada gênero, mas permitindo que ela faça sua escolha, caso não se sinta à vontade com determinada roupa."

 

Moda 'agênero'

O termo "moda agênero" também remete às roupas sem gênero. A mestre em têxtil e moda pela Universidade de São Paulo (USP), Aymê Okasaki, explica que a antiga moda unissex sempre esteve presente na moda infantil, desde do movimento hippie nos Estados Unidos.

"Quando pensamos em modelagem, as roupas de bebês não precisam ter adaptações específicas quanto ao gênero, pois os corpos são muito semelhantes em questão de volume. Porém, a proposta das últimas décadas não se propõe apenas ao masculino ou feminino, como para qualquer criança, independente do gênero."

Ainda segundo a especialista, as roupas mais básicas continuam uma tendência, independente da idade. As pesquisas por uma moda "comfy" estão em alta, assim como a venda de conjuntos de moletom, conjuntos monocromáticos e mesmo com "tie dye", que é a customização das peças.

"É certo que algumas marcas ainda estão presas na ideia de que para ser moda 'agênero' é preciso vir com cartela de cores sóbria, modelos largos e sem muitos detalhes ou estampas. Contudo, como a moda infantil pede o lúdico, talvez seja no infantil que o 'agênero' consiga explorar seu potencial criativo nos modelos."

 

´´G1/Globo“

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Governo reduz para US$ 55,4 bilhões projeção de superávit comercial

Publicados

em

O aumento de gastos com fertilizantes e combustíveis fez o Ministério da Economia revisar para baixo a projeção de superávit comercial (exportações menos importações) este ano. A estimativa caiu de US$ 81,5 bilhões, previstos em abril, para US$ 55,4 bilhões, uma redução de 32,7%. A cada 3 meses, o governo divulga uma nova previsão.

Apesar da queda, pode ser o segundo melhor resultado anual da balança comercial desde o início da série histórica, em 1989. O melhor superávit comercial registrado até hoje foi no ano passado, quando o país exportou US$ 61,407 bilhões a mais do que importou, beneficiado pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional).

Segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas do Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, existem dois fatores principais para a revisão da estimativa: a queda no preço internacional do minério de ferro nos últimos meses e os reflexos da guerra na Ucrânia, que encareceram os fertilizantes e os combustíveis.

“O que temos observado no ano é o crescimento da importação bastante acima do esperado. A exportação vem mais ou menos em linha com o inicialmente projetado”, explicou Brandão. “Os preços de combustíveis, de adubos e fertilizantes, principalmente, influenciam esse movimento”, acrescentou.

Leia Também:  Seguro-desemprego passa a ser de R$ 1.045 a partir de 11 de fevereiro

A queda do saldo projetado deve-se tanto ao aumento das importações como à desaceleração das exportações. A projeção para as compras do exterior subiu de US$ 268 bilhões previstos em julho para US$ 274,9 bilhões agora. Do lado das exportações, a previsão caiu de US$ 349,4 bilhões para US$ 330,3 bilhões. Caso se confirmem, os valores anuais serão recordes para esses parâmetros.

Impacto da guerra

A guerra entre Rússia e Ucrânia tem impactado a balança comercial nos últimos meses. Por causa do aumento de gastos de itens que encareceram com o conflito, o superávit no mês passado totalizou US$ 3,993 bilhões, com recuo de 9,3% em relação a setembro de 2021.

Os preços internacionais dos adubos e dos fertilizantes subiram 47,4% em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. O preço médio dos combustíveis comprados do exterior aumentou 53,3% na mesma comparação. No trigo, outro produto que o Brasil importa em grande quantidade, a alta chega a 58,2%.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA