CUIABÁ

Siga nossas redes

Contas de luz ficam sem cobrança extra por sexto mês seguido

Aneel mantém bandeira tarifária verde para outubro

Publicado em

ECONOMIA

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em outubro para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz pelo sexto mês seguido.

A conta de luz está sem essas taxas desde o fim da bandeira de escassez hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia.

Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado no fim de junho pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos refletiram a inflação e o maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses.

Bandeiras Tarifárias

Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias.

Leia Também:  Entenda o motivo da queda do dólar em 2022

Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos, que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Quando a bandeira de escassez hídrica vigorou, de setembro de 2021 a 15 de abril deste ano, o consumidor pagava R$ 14,20 extras a cada 100 kWh.

O Sistema Interligado Nacional (SIN) é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Vendas do comércio crescem 0,4% de setembro para outubro, diz IBGE

Publicados

em

O volume de vendas do comércio varejista teve alta de 0,4% na passagem de setembro para outubro deste ano. Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgados hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esta é a terceira alta consecutiva do indicador.

O varejo teve altas também de 0,6% na média móvel trimestral, de 2,7% na comparação com outubro do ano passado, de 1% no acumulado do ano e de 0,1% no acumulado de 12 meses.

Na passagem de setembro para outubro, cinco das oito atividades pesquisadas apresentaram crescimento no volume de vendas: móveis e eletrodomésticos (2,5%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (2%), combustíveis e lubrificantes (0,4%) e hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%).

As outras três atividades tiveram queda nas vendas: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-0,4%), tecidos, vestuário e calçados (-3,4%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-3,8%).

A receita nominal teve crescimento de 0,2% na comparação com setembro deste ano, de 12,2% em relação a outubro de 2021, de 15,1% no acumulado do ano e de 13,9% no acumulado de 12 meses.

Leia Também:  Bebê é arremessada da janela de casa pelo pai

Varejo ampliado

O varejo ampliado, que também analisa as vendas de materiais de construção e de veículos e peças, cresceu 0,5% em outubro, na comparação com o mês anterior. As duas atividades tiveram queda: veículos e motos, partes e peças (-1,7%) e material de construção (-3,5%).

O comércio varejista ampliado teve alta de 0,3% na comparação com outubro de 2021, mas apresentou quedas de 0,5% no acumulado do ano e de 1% no acumulado de 12 meses.

A receita nominal do varejo ampliado teve altas de 0,6% na comparação com setembro deste ano, de 10,1% em relação a outubro de 2021, de 13,6% no acumulado do ano e de 13,1% no acumulado de 12 meses.

“EBC”

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA