Após internação, novo exame de Toffoli dá negativo para covid-19
Vital Brazil e UFRJ testam soro para tratar covid-19
Índia autoriza voos domésticos após dois meses
Mais um: Morador em Colíder, com covid-19 é internado em estado grave em UTI do HRCOL
Publicado em 16/10/2019
Dois ex-políticos firmam TAC com MPE para devolver mais de R$ 30 mil à prefeitura de Nova Canaã do Norte por contratação de funcionário fantasma
Judiciário e Justiça
Dois ex-políticos firmam TAC com MPE para devolver mais de R$ 30 mil à prefeitura de Nova Canaã do Norte por contratação de funcionário fantasma

A Promotoria de Justiça da comarca de Nova Canaã do Norte (a 681km de Cuiabá) firmou Termo de Ajustamento de Conduta com dois ex-agentes políticos que seriam responsáveis pela contratação de um “funcionário fantasma” na Prefeitura. O acordo, que ainda depende de homologação judicial, prevê devolução atualizada do montante dispendido pelo Município com proventos do servidor, além da aplicação de multa civil para cada um dos ex-gestores. 

Conforme o promotor de Justiça Leandro Túrmina, em observância às normativas aplicáveis e visando a mais rápida resposta à população, o Ministério Público firmou o TAC de forma a garantir não só o ressarcimento integral do dano (valores pagos a título de salário do funcionário), como também o pagamento de multa civil em favor do Município de Nova Canaã do Norte, diretamente lesado com a conduta.

Com o TAC, a Prefeitura de Nova Canaã do Norte receberá o total de R$ 30.126,51, sendo R$ 10.126,51 referentes ao ressarcimento integral ao erário e R$ 20 mil a título de multa civil. Para o promotor de Justiça, “o compromisso firmado garante a resposta prática que o Estado-Juiz levaria certo tempo para atingir, evita a sensação de impunidade do ex-agente e o tranquiliza o senso de justiça da população".

Ação judicial - O promotor de Justiça Leandro Túrmina explica que, diante dos elementos colhidos durante investigação extrajudicial, o Ministério Público ingressou com ação civil pública contra os ex-gestores e do suposto funcionário fantasma buscando o ressarcimento integral do dano e a aplicação de sanções previstas na Lei 8.429/92 - Improbidade Administrativa. Os fatos teriam ocorrido em meados de 2014 e a ação, que tramita há cerca de três anos, ainda estava em fase inicial.

Por fim, o promotor salienta que a ação terá regular trâmite em desfavor do "funcionário fantasma", que não foi abrangido no acordo entabulado.

A Justição não informou os nomes dos envolvidos.

"Assessoria MPE"

Policia Federal apreende celulares e computadores de Luciano Hang
Moro diz que Bolsonaro não cumpriu promessa eleitoral: ‘Agenda anticorrupção não teve impulso do presidente’
Morador de Sinop, Stachin é alvo da PF por disseminar ofensas e ameaças ao STF
Índia autoriza voos domésticos após dois meses
Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira