Vendaval em Marcelândia na madrugada de hoje, destelha casas, derruba barracão e deixa mais de R$ 400 mil de prejuízos
Pavor se espalha via WhatsApp e amplifica crise de segurança no Ceará
Veja vídeo - Filho legítimo do cantor Marciano, não reconhecido por ele, diz que perdoa e pede perdão ao pai falecido na madrugada desta sexta-feira
Sorriso: Mulher discute com companheiro, pede para os filhos saírem e coloca fogo em quitinete
Publicado em 02/01/2019
Bolsonaro assina MP que retira LGBTs das diretrizes de Direitos Humanos
A Medida Provisória explicita as mudanças na estrutura dos ministérios, incluindo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela pastora Damares Alves
Brasil
Bolsonaro assina MP que retira LGBTs das diretrizes de Direitos Humanos

Por Emmanuel Bento 

A Medida Provisória de nº 870/19, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira (1º/1), retirou a população LGBT da lista de políticas e diretrizes destinadas à promoção dos Direitos Humanos. A MP explicita as mudanças na estrutura dos ministérios, incluindo o novo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela pastora Damares Alves. A edição foi publicada no Diário Oficial da União na terça-feira.

Entre as políticas e diretrizes destinadas à promoção dos direitos humanos estão incluídos explicitamente as "mulheres, crianças e adolescentes, juventude, idosos, pessoas com deficiência, população negra, minorias étnicas e sociais e índios". As pessoas LGBT, que antes eram citadas nas estruturas de Ministérios e Secretarias Especiais da Presidência, foram excluídas. 

Na estrutura do novo ministério existem seis secretarias nacionais: Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres; Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente; Secretaria Nacional da Juventude; Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa. 

Antes, a pauta LGBT estava com status de diretoria e era submetida à Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. Caso essa pauta possua alguma estrutura de gestão ou seja trabalhada pela gestão nacional, estará provavelmente sob a tutela da Secretaria Nacional de Proteção Global e Secretaria Nacional da Família.

O Conselho Nacional de Combate à Discriminação continua, mas de acordo com o decreto tem a função de formular e propor diretrizes de ação governamental. A execução de ações para a população LGBT depende de pastas especificas que ainda não foram detalhadas.

Fonte:Diário de Pernambuco 

Vazamento expõe 800 milhões de e-mails e senhas na internet
Vídeo flagra acidente entre Hilux e duas carretas em rodovia de Mato Grosso; veja
Vendaval em Marcelândia na madrugada de hoje, destelha casas, derruba barracão e deixa mais de R$ 400 mil de prejuízos
Policial Militar é condenado a 24 anos de prisão por morte a pauladas de jovem de 16 anos
Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira