Caso Henry: conheça o software que foi fundamental para prisão do casal
Alok vende avião particular para pagar equipe e evitar demissão em massa
País tem mais de 120 concursos abertos para preencher quase 5 mil vagas; veja lista
SP volta à fase vermelha nesta segunda; veja o que abre e o que permanece fechado
Publicado em 02/04/2021
Ao fazer uma visita a ex-patroa da mãe, mulher é obrigada a viver como escrava por 9 meses
Policia
Ao fazer uma visita a ex-patroa da mãe, mulher é obrigada a viver como escrava por 9 meses

Uma mulher de 34 anos viveu em situação análoga à escravidão por 9 meses, em Campo Grande (MS). A vítima, que preferiu não se identicar, teria ido visitar uma ex-patroa da mãe em Mateus Leme, Minas Gerais e, depois, teria sido obrigada a ir junto com a família da mulher para a capital sul-mato-grossense. A vítima conseguiu fugir da residência onde era mantida contra a própria vontade e conseguiu pedir ajuda para um casal que passava de carro pelas proximidades. Após o resgate, ela foi levada a uma igreja, onde encontrou um policial militar que a levou para a Casa da Mulher Brasileira para receber atendimento psicológico. No depoimento prestado pela vítima à polícia, ela arma que havia apenas 15 dias que estava fora de casa. Contudo, ao falar com a família dela, a mãe da mulher declarou que, na verdade, a lha estava desaparecida há 9 meses. De acordo com psicólogos, a vítima tem distúrbios mentais.

A família que mantinha a mulher em situação de escravidão é composta por uma idosa de 80 anos, o neto dela e a esposa do homem. “Nós zemos 3 diligências, uma delas com a vítima. Ela conseguiu lembrar o local onde fazia compras no mercado, local em que ela só para carregar as sacolas empurrando a bicicleta. Também me falou que a casa possui portão amarelo com lixeira de madeira. Eu fui até com o meu carro particular procurar essas características, porém, ainda não conseguimos identicar o local”, declarou Joilce Ramos, delegada responsável pelo caso, ao G1.

Trabalho análogo à escravidão

A mãe da vítima teria perdido completamente o contato com a lha, por 9 longos meses. De acordo com a delegada envolvida no caso, Joilce Ramos, os suspeitos de cometer o crime teriam apagado todos os contatos do celular da vítima, para impedir que ela entrasse em contato com algum conhecido para pedir socorro. Ainda segundo a polícia a mulher era obrigada a limpar duas casas, grandes, sem receber um único centavo pelo trabalho. Além disso, a vítima era obrigada a comer apenas restos de comida, além de ter sido agredida verbalmente diversas vezes.

Violência Sexual

A equipe de investigação policial envolvida no caso desconfia que a vítima possa ter sofrido violência sexual enquanto esteve mantida em cativeiro, visto que a barriga dela estaria com formato semelhante ao de uma pessoa grávida. No entanto, quando questionada, a mulher teria negado a história. A vítima, após a suspeita, foi levada a um ginecologista pela equipe de suporte envolvida na causa. No entanto, ainda não há confirmação de uma suposta gestação. Volta à casa De acordo com a delegada Joilce, a vítima estava desesperada para retornar à casa da mãe, em Minas Gerais. Normalmente, a passagem seria custeada pela Casa da Mulher Brasileira, por meio de uma vaquinha. Porém, em razão da urgência do caso, a delegada pagou a passagem para a vítima e repassou o caso para a polícia do município. 

'Metropoles'

SP volta à fase vermelha nesta segunda; veja o que abre e o que permanece fechado
Polícia Federal deflagra Operação Checker para combater fraudes no Auxílio Emergencial.
Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina hoje
2ª Turma nega recurso da PGR e mantém suspeição de Moro em caso do Banestado
Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira