Massacre em Paracatu: homem mata a ex na casa dela e outros três em igreja evangélica ( veja vídeo )
Gerente da fazenda é atingido por disparos de arma de fogo em Colniza
Publicado em 25/04/2019
Advogado acusa colega de "captar" seus clientes, dá soco nele e é detido em delegacia de Peixoto de Azevedo
O caso está sendo acompanhado pela OAB
Policia
Advogado acusa colega de

Por Joel Teixeira

Dois advogados de Peixoto de Azevedo, norte de Mato Grosso, a 120 km de Colíder,  disputavam um casal de clientes,  que tentava recuperar  uma alta quantia em dinheiro, apreendida pela Polícia Militar, terça-feira (23) na Operação Tiradentes. O dinheiro seria para compra irregular de ouro na cidade. Segundo fontes, o advogado Nilson Portela chegou a ser consultado pelo casal e afirma que foi contratado  pelos supostos  contraventores para fazer a defesa deles, mas  o advogado José Perin teria "atravessado" a negociação e convencido os clientes  a fecharem o trabalho com ele.

 Na tarde de quarta-feira (24), enquanto a Polícia Judiciária Civil confeccionava a documentação referente ao casal e ouvia os envolvidos, o advogado Nilson Portela chegou  à delegacia, dizendo ao advogado José Perin  que a mulher  já o teria contratado,  houve bate-boca entre os dois advogados, Nilson Portela partiu para cima de Perin e desferiu um soco contra o concorrente dele, o delegado interviu e prendeu Portela por agressão. De acordo com informações extraoficiais,  o soco não teria deixado lesão em Perin que nem chegou a passar por exames no IML ( Instituto Médico Legal ) como é praxe em caso de agressões e lesões .

A OAB ( Ordem dos Advogados do Brasil ) local, foi acionada para acompanhar o caso, os presidente da instituição, Dr Marcus Augusto Giraldi Macedo e a vice-presidente  Fabrícia Nogueira Dembogurski, estiveram na delegacia e  logo após as formalidades sobre o fato, o agressor, Nilson Portela foi liberado.

Falamos com o presidente da 14ª Subseção da OAB/M T  Dr Marcus Augusto Giraldi Macedo  e ele disse que as duas partes serão ouvidas numa audiência de conciliação, Portela por agressão e Perin por suposta captação irregular de clientes, e, se não houver acordo, o caso segue para averiguação de posturas pregressas de cada profissional, se tiverem registros que já feriram o código de ética  e disciplina da Ordem, poderão ser penalizados com mais rigidez, mas depende muito de cada caso, as punições  podem ser desde  uma advertência  ao afastamento das funções.

A nossa reportagem tenta contato com os dois advogados envolvidos, mas não conseguiu falar com eles até o fechamento dessa matéria.  

Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira