Gerente da fazenda é atingido por disparos de arma de fogo em Colniza
Massacre em Paracatu: homem mata a ex na casa dela e outros três em igreja evangélica ( veja vídeo )
Publicado em 14/12/2018
Acusada de "caixa 2" Selma diz que TRE pediu R$ 600 mil para diplomá-la
Ataques da ré são direcionadas aos desembargadores Marcio Vidal e Pedro Sakamoto
Política
Acusada de

Por José Marcondes Muvuca 

A ex-juíza Selma Arruda, senadora eleita pelo PSL, acusou os membros do Tribunal Eleitoral de extorsão. O esquema de corrupção não teria sido aceito por ela, e teria ocorrido em três ocasiões. “Na primeira vez me pediram R$360 mil, na segunda R$600 mil, e na terceira me pediram cargos para me absolver nesse processo do Tribunal”. A ex-juíza é investigada pela prática de “caixa 2”.

 

O Tribunal Eleitoral é composto por dois juízes, dois desembargadores, um juiz federal e mais dois advogados escolhidos pela OAB. Além dos juízes eleitorais há o procurador eleitoral, no total de oito membros, e mais três juízes auxiliares. A acusação da ex-juíza bem pode ser extorsão como chantagem (os membros do Tribunal acreditam em sua culpa e se tornam cúmplices).

Selma não dá nome aos bois, mas fontes do judiciário disseram que os ataques da senadora ainda não diplomada foram endereçados aos desembargadores Marcio Vidal e Pedro Sakamoto, que são os mais influentes e experientes no âmbito do Tribunal de Mato Grosso.

A guerra sobre a ida ou não de Selma para o senado terminará na próxima segunda-feira (17), data marcada para sua diplomação. Selma é acusada, com provas, de prática de caixa 2 e emissão de cheques sem fundos.

 

Notícias com enfoque no Estado de Mato Grosso
Todos os direitos reservados ao Grupo Joel Teixeira